Angela Alhanati

Agende sua consulta Telefone: (24) 3321-2665 - (24) 99811 - 9913
Atendimento

DECISÃO JUDICIAL ABRE PERIGOSA POSSIBILIDADE DE USO DE TERAPIAS DE REVERSÃO SEXUAL

A Justiça Federal da Seção Judiciária do Distrito Federal acatou parcialmente o pedido liminar numa ação popular contra a Resolução 01/99 do Conselho Federal de Psicologia (CFP) que orienta os profissionais da área a atuar nas questões relativas à orientação sexual. A decisão liminar, proferida nesta sexta-feira (15/9), abre a perigosa possibilidade de uso de terapias de reversão sexual. A ação foi movida por um grupo de psicólogas (os) defensores dessa prática, que representa uma violação dos direitos humanos e não tem qualquer embasamento científico.
Na audiência de justificativa prévia para análise do pedido de liminar, o Conselho Federal de Psicologia se posicionou contrário à ação, apresentando evidências jurídicas, científicas e técnicas que refutavam o pedido liminar. Os representantes do CFP destacaram que a homossexualidade não é considerada patologia, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) – entendimento reconhecimento internacionalmente. Também alertaram que as terapias de reversão sexual não têm resolutividade, como apontam estudos feitos pelas comunidades científicas nacional e internacional, além de provocarem sequelas e agravos ao sofrimento psíquico.
O CFP lembrou, ainda, os impactos positivos que a Resolução 01/99 produz no enfrentamento aos preconceitos e na proteção dos direitos da população LGBT no contexto social brasileiro, que apresenta altos índices de violência e mortes por LGBTfobia. Demonstrou, também, que não há qualquer cerceamento da liberdade profissional e de pesquisas na área de sexualidade decorrentes dos pressupostos da resolução.
A decisão liminar do juiz federal Waldemar Cláudio de Carvalho mantém a integralidade do texto da Resolução 01/99, mas determina que o CFP a interprete de modo a não proibir que psicólogas (os) façam atendimento buscando reorientação sexual. Ressalta, ainda, o caráter reservado do atendimento e veda a propaganda e a publicidade.
Interpretação – O que está em jogo é o enfraquecimento da Resolução 01/99 pela disputa de sua interpretação, já que até agora outras tentativas de sustar a norma, inclusive por meio de lei federal, não obtiveram sucesso. O Judiciário se equivoca, neste caso, ao desconsiderar a diretriz ética que embasa a resolução, que é reconhecer como legítimas as orientações sexuais não heteronormativas, sem as criminalizar ou patologizar. A decisão do juiz, valendo-se dos manuais psiquiátricos, reintroduz a perspectiva patologizante, ferindo o cerne da Resolução 01/99.

O Conselho Federal de Psicologia informa que o processo está em sua fase inicial e afirma que vai recorrer da decisão liminar, bem como lutará em todas as instâncias possíveis para a manutenção da Resolução 01/99, motivo de orgulho de defensoras e defensores dos direitos humanos no Brasil.

Fonte: CFP

NSE4   1Z0-803   LX0-103   JN0-360   LX0-103  , NS0-157   70-532   200-120   210-060  , NS0-157   70-463   AWS-SYSOPS  , SY0-401   C_TFIN52_66   VCP550   C_TFIN52_66   70-417  , 70-483   70-410   LX0-104   100-105  , MB6-703   VCP550   200-355   70-487   220-901  , 70-486   70-534  , 640-692   CISSP   400-051  , 70-411  , 1Z0-061   300-206   1Z0-803   EX300   352-001  , 200-101   C_TFIN52_66   70-410   NSE4   101-400   70-411  , JN0-360   700-501   2V0-621D   220-801   640-692   70-480   642-999   70-463   700-501   100-105  , 70-480   210-060   70-533   350-030  , MB6-703   350-018  , C_TFIN52_66   70-462   300-115   300-101   C_TFIN52_66   2V0-621D   ITILFND   AWS-SYSOPS   70-486   500-260   70-243   JK0-022   NS0-157   300-206   070-461  , 700-501   300-070   350-050  , AWS-SYSOPS   c2010-652   350-001   c2010-657   640-911   000-105   000-080  , OG0-091   MB2-707   MB2-707  , 210-060